Existem inúmeros estilos de cerveja, porém, para facilitar a compreensão, podemos dividi-los nas duas famílias mais famosas: Lager e Ale.

 

Essa divisão é feita de acordo com o tipo de fermentação da bebida e pode variar conforme ingredientes e processos de produção.

 

Para os apreciadores da bebida, ou até para quem pretende começar a produzir cerveja em casa, é essencial conhecer cada um desses estilos e suas ramificações.

 

Pensando nisso, elaboramos um guia interativo para você navegar e tornar-se um verdadeiro expert.

 

Clique nos estilos para saber mais sobre suas peculiaridades, incluindo infográficos e vídeos para exemplificar.

 

Em cada um, você também encontrará sugestões de rótulos para saborear e entender melhor as características desse líquido dos deuses.

 

Vamos conferir?

Essa pergunta pode fazer sentido, já que, se você está lendo esse material, é provavelmente um apreciador da bebida. No entanto, existem alguns aspectos a respeito da cerveja que terão relação direta com seu estilo.

 

Para respondê-la, vamos recorrer a um documento historicamente muito importante, o Reinheitsgebot, também chamado de Lei da Pureza Alemã. Proposto em 1516 pelo Duque Guilherme IV da Baviera, ele definiu alguns dos parâmetros seguidos até hoje com relação à produção de cerveja.

 

Segundo a Lei, “os únicos ingredientes utilizados na fabricação de cerveja devem ser malte, lúpulo e água”. Hoje, apesar de se aceitar que tenham outros componentes, esses três elementos são o que formam a base principal da bebida.

 

No Brasil, o Decreto 6.871 de 2009 define que “cerveja é a bebida resultante da fermentação, a partir da levedura cervejeira, do mosto de cevada malteada ou de extrato de malte, submetido previamente a um processo de cocção adicionado de lúpulo ou extrato de lúpulo”.

 

A partir dessas duas definições, podemos afirmar que, de forma geral, cerveja é uma bebida fermentada feita a partir de malte, lúpulo e água. Há duas principais famílias de cervejas, a saber, Lager e Ale. Cada uma pode ser dividida em dezenas de estilos, que, por sua vez, geram “subestilos”.